LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E LÍNGUA PARAGUAIA DE SINAIS: PRESTÍGIO LINGUÍSTICO EM CONTEXTO DE FRONTEIRA

Karla Alexandra Benites Florenciano

Mariana Dézinho
Universidade Federal da Grande Dourados

Objetiva-se com este trabalho apresentar o uso cotidiano de duas Línguas de Sinais (Língua Brasileira de Sinais-LIBRAS e Língua Paraguaia de Sinais- LPSY-) e de três Línguas Orais (Língua Portuguesa, Espanhola e Guarani), vivenciadas pelos surdos em um contexto de fronteira entre Ponta Porã-Brasil/Pedro Juan Caballero-Paraguai. Para tal, foi realizada pesquisa qualitativa, que utilizou como instrumento uma entrevista semiestruturada com 5 perguntas, aplicadas a 10 surdos que vivem neste contexto. Os resultados encontrados apontam para uma condição linguística e cultural completamente híbrida e para o uso mais frequente de três idiomas: A Língua Brasileira de Sinais, a Língua Portuguesa e o Espanhol estas duas últimas são utilizadas por meio da oralidade ou por meio da escrita, a Língua Paraguaia de Sinais e o Guarani, são usados restritamente, apenas em poucas situações e momentos. Percebe-se que o pouco uso dessas últimas duas línguas ocorre pela falta de falantes/sinalizantes nestes idiomas, como também por certo receio de utilizar estas línguas que para o grupo pesquisado são línguas de menor prestígio.

Palavras-chave: Línguas – Fronteira – Surdos.