FENÔMENOS DE VARIAÇÃO LINGUÍSTICA EM LIBRAS NO CONTEXTO DAS UNIVERSIDADES E INSTITUTOS FEDERAIS: UM ESTUDO DE CASO

Francinei Rocha Costa
Universidade Federal de Santa Catarina

Este trabalho apresenta os resultados de um estudo de variação sociolinguística em lexicais da Língua Brasileira de Sinais. O objetivo foi analisar fenômenos de variações linguísticas como ponto principal três conceitos utilizados pelos professores no contexto das Universidades e Institutos Federais. O trabalho busca refletir sobre as variações conservadoras, que fazem parte do repertório linguístico da comunidade surda há mais tempo e as contemporâneas ou inovadoras, as quais mostram uma variação grande apresentada no estudo linguístico da Língua de Sinais. Também traz as contribuições de WLH, sobre as mudanças as quais não afetam o caráter sistêmico da Língua, ou seja, ela continua estruturada enquanto as mudanças vão ocorrendo, e Quadros; Karnopp, sobre estudos linguísticos voltados a Língua Brasileira de Sinais. Para tanto, apresenta-se uma metodologia de coleta de dados através de entrevistas com 20 professores Surdos de Universidades Federais e Institutos Federais, estabelecendo assim um corpus de prática, que possibilitou investigar os sinais usados nestes espaços, bem como as semelhanças e diferenças na produção do sinal e se os mesmos estão registrados em dicionários de Língua de Sinais. Com base na realidade de diferentes estados, da capital e interior foram selecionados 3 itens lexicais (ensino, pesquisa, extensão) e seus respectivos significados no meio acadêmico. As perguntas e respostas foram disponibilizadas e gravadas em vídeo em Língua Brasileira de Sinais A pesquisa apresenta os seguintes resultados: nos lexicos escolhidos para análise (ensino, pesquisa, extensão), a) todos os entrevistados souberam responder sobre o significado dos conceitos sendo que as respostas convergem, ou seja, todos compreendem e trabalham com esses três pilares, os quais orientam o “fazer” em suas Universidades ou Institutos, b) os lexicos (ensino e pesquisa) mostraram igualdade ou semelhanças na produção do sinal, c) O lexico (extensão) mostrou uma enorme variação linguística na produção do Sinal. Os lexicos em sinais (ensino, pesquisa) foram encontrados registros nos dicionário de Capovilla;Raphael, Livro ilustrado Língua Brasileira de Sinais Honora;Frizanco, e outros, porém o lexico (extensão) não foi encontrado em registros científicos, podemos concluir então que este é um dos fatores da grande Variação linguística evidenciada no estudo. Percebe-se também que um dos fatores é a recente participação dos Surdos como docentes no contexto de Universidades e Institutos Federais, e que portanto, antes de serem professores poucos tiveram contato com esses três pilares. Durante a realização do estudo a maioria dos entrevistados demonstrou um certo desconforto ao se referir do sinal “extensão”, muitos complementaram a produção do sinal, explicando que tinham criado o sinal, e este era utilizado na região ou na instituição de ensino, mas que o mesmo ainda não tinha registro ou estava sendo utilizado provisóriamente.

Palavras-chave: Língua Brasileira de Sinais – Sociolinguística – Variação.